quinta-feira, 15 de Maio de 2014

Viva o Benfica. Viva, Viva, Viva !

Ontem fiquei muito triste no estádio, mas a tristeza foi "aligeirada" pelo Amor que sinto pelo clube.

Se na alegria ficamos extasiados, na tristeza é onde se sente de maneira mais forte esta absoluta irracionalidade de Amar um clube.

E sim, desisti de sofrer nos penaltis...

Para mim era natural que o Sevilha ganhasse de forma fácil porque o Benfica estava de rastos quando acabou o prolongamento, mas não vale a pena chorarmos sobre esta derrota, ou falar do ridículo duma maldição de um qualquer Bela Gutman.

O Benfica não ganhou ao Sevilha porque este Benfica não teve soluções para ganhar ao Sevilha.

Como escrevi antes, sem Silvio, Salvio, Enzo, Fejsa, Markovic a equipa estava limitada e com pouco banco.

Sem Sulejmani no inicio do jogo ficámos ainda mais fracos. 

Sem Ivan Cavaleiro - que Jesus decidiu não apostar - dependíamos dum jogador que hoje nos falhou. 

Se em outros jogos Nico Gaitan faz magia, hoje não jogou bem e com o passar do tempo foi não só jogando mal, como fugindo do jogo, escondendo-se atrás de algo que ninguém entendeu.

Com Lima e Rodrigo esforçados mas sem um mínimo de inspiração, o Benfica ontem estava num palco de gala, a jogar para todo o mundo com uma verdadeira equipa B e adaptada.

André Gomes e Ruben Amorim fizeram o possível e impossível, mas tinham uma missão muito complicada.

Siqueira parece-me uns furos abaixo do que nos habituou e restou-nos o quarteto maravilha Garay, Luisão, Maxi e Oblak que foram em todos os minutos do jogo o verdadeiro Benfica

Estes quatro jogadores hoje - e com Maxi fora da sua posição - foram aquilo a que nós chamamos Benfica.

Mereciam mais?

Sim todos mereciam mais, mas não foi desta.

O que me importa sublinhar é que independentemente de merecermos ter ganho, de nos terem roubado um ou outro penalti - ainda não vi nada na TV, por isso só ouvi e li sobre isso - e de termos tido uma clara falta de confiança no ultimo terço do campo, o Benfica é algo que não se explica e nestes jogos isso fica ainda mais claro.

O apoio de uma massa adepta de todas as classes sociais, de todos os cantos do mundo e de todas as idades, mostra que o clube é muito mais que 11 jogadores a correr atrás duma bola e é isso que emociona no inicio, durante e no final do jogo.

É isso que mostra a grandeza do Benfica e é isso que mostra a tal Mística que o Benfica tem e terá sempre.

Eu avisei da euforia que o Benfica e benfiquistas iam apregoando nos dias antes do jogo e seria uma euforia normal, desde que a realidade não nos gritasse bem alto que o jogo ia ser muito complicado.

O jogo foi muito complicado e como eu também escrevi no post anterior, se nos tivessem dito há uns meses atrás que iríamos jogar a final com André Gomes e Amorim no meio, André Almeida a defesa direito - e depois esquerdo - e com Maxi a extremo, todos nos assustaríamos e consideraríamos impossível ganhar esse jogo.

E não era impossível, porque mesmo com uma equipa de segunda linha, nós provámos que poderíamos ter ganho, mas nestas finais não se pode falhar, tem de se pensar rápido e tem de se jogar também rápido.

O Benfica tentou o melhor que pode, mas não era a nossa noite.

Para quem esteve no estádio, tudo foi muito claro. 

O Sevilha tem uma equipa boa, mas inferior a este Benfica de recurso e muito, muito inferior ao Benfica na máxima força. Por isso ainda custa mais perder com uma equipa assim.

No entanto, quando o tempo avança e o 0-0 continua, cada minuto que nos aproximaria dos penaltis era uma vitória para a equipa espanhola. 

Tal como cada minuto contra a Juventus nos aproximava da vitória e cada minuto contra o FC Porto no Dragão para a Taça da Liga nos aproximava dos penaltis e dessa vantagem psicológica que teríamos nesses penaltis, ontem era óbvio que essa vantagem estava do lado andaluz. 

Tudo bem.

Não há que chorar, nem dizer mal de Presidente porque convidou ex jogadores que não deveriam ter ido, dizer mal do Jesus porque deixou Ivan Cavaleiro muito tempo no banco ou dizer mal dos jogadores porque ontem não estiveram ao seu melhor nível ou porque falharam quando não poderiam ter falhado.

Neste capitulo uma palavra especial para André Gomes que tenho lido e ouvido ser muito criticado pela exibição de ontem. 

Eu não concordo.  

Acho que André Gomes é já hoje um valor seguro do nosso futebol nacional e com a idade que tem vai ser um dos melhores jogadores do mundo na sua posição - seja a 6 ou a 8.

Ele não merece as criticas que lhe estão a ser feitas, quando lutou com Amorim contra um meio campo de três jogadores adversários. 

Hoje é altura de acordar com os olhos postos no Jamor e tentarmos fazer aquilo que nos falta há muitos anos - ganhar a Taça de Portugal e fazer o tal triplete nacional com as duas Taças e a Liga Portuguesa. 

Hoje há que acordar com a cabeça bem levantada e recuperar os jogadores para ganharmos ao Rio Ave. 

Não há nada mais a fazer. Chorar a derrota? 

Isso foi ontem! 

Hoje é focar e recuperar os jogadores mesmo sabendo que perder contra o Sevilha numa final europeia é sempre um marco negativíssimo da nossa História. O marco mais negativo de qualquer das nossas finais europeias.

Ninguém tenha dúvidas disso. 

Perder com Chelsea é uma coisa e perder com o Sevilha é outra. 

Nunca é vergonha perder uma final, mas desta vez mesmo com todas as condicionantes é importante não esquecer que foi contra o Sevilha e isso é no mínimo embaraçoso.

Agora que vemos o aeroporto de Turim com adeptos a irem embora para tantos destinos no mundo, que vemos tantos carros e autocarros a irem para outros tantos destinos europeus também é altura de sentirmos satisfação e orgulho neste clube. 

Numa altura de grande crise, cada um destes milhares de adeptos provaram que o Benfica nunca estará sozinho.

Eu cá espero pela próxima final europeia e lá estarei sempre, desde que a saúde me deixe viajar. 

É duro perder?

Sim é muito duro perder, pela segunda vez consecutiva, como foi duro perder contra Anderlecht, PSV Eindhoven, Milan, Chelsea.

Desta vez fica-me na retina a ideia que começámos a perder o jogo em Turim com aquelas expulsões ridículas - especialmente a de Markovic e o amarelo de Salvio - e com alguma sobranceria nossa que não tinha eco nem justificação, tendo em conta a equipa que iria jogar.

No palco onde fomos ao Céu quando eliminámos a Juventus, fomos ao Inferno ontem. 

Nos dois jogos temos em comum o facto de não marcarmos nenhum golo em 90 minutos contra Juventus e em 120 minutos contra Sevilha.

"Quem não marca sofre", diz-se no mundo do futebol, mas não sofremos porque tivemos Oblak e porque a equipa do Sevilha é realmente fraca, tirando o excelente Rakitic. 

Cabeça erguida e foco no próximo objectivo.

Custa muito, muito, muito tudo o que se passou ontem, mas a equipa tem de ser apoiada e ganhar o que falta ganhar. 

Depois segunda feira começamos a falar de tudo o resto sobre saídas, entradas e renovações.

Orgulho em ti Benfica.

Hoje e Sempre.

Viva o Benfica

Força Benfica


terça-feira, 13 de Maio de 2014

Estou preparado para perder e ganhar mas a equipa só pode estar preparada e focada para Ganhar!


1. Começo por dizer que não gostei do que vi nos últimos jogos...

Gostei do resultado em Turim e no Dragão para Taça da Liga, detestei as exibições contra Setúbal e FC Porto para a Liga e não simpatizei com a exibição contra o  Rio Ave na  final da Taça da Liga.

Tudo isto é passado e o que agora importa é o futuro que se escreve amanha em Turim e no Jamor no domingo.

Estou como muitos milhares de benfiquistas "em transito" para Turim e vejo uma euforia desmedida á volta da nossa equipa que percebendo-a, não me agrada.

Como não me agrada as novelas "Jesus no Mónaco", "Jesus no Milan" ou qualquer outra novela que tenha como título "Jesus no..." pela simples razão que retira foco do essencial que é ganhar amanha e ganhar domingo!

Para terminar com as críticas e pontos negativos, tenho a dizer que não entendi a razão de colocar André Almeida e André Gomes a jogar 90 minutos no Dragão, quando um deles irá acompanhar Amorim no meio campo amanhã e o outro será o natural substituto.

Dizem os entendidos que Jesus quis dar ritmo aos dois e que lhe saiu bem a aposta pois nenhum saiu lesionado!

Eu como não sou entendido, apenas acho que foi escusado!

Como escusadas são as euforias desmedidas que só colocam mais pressão na nossa equipa.

O melhor plantel dos últimos 30 anos, está cansado e com vários tiros na sua composição!+

Se no inicio da época - Agosto 2013 - nos dissessem que íamos jogar a final da Liga Europa sem Silvio, Matic, Fejsa, Enzo, Markovic e Salvio todos nos assustaríamos, especialmente olhando para a importante área do meio campo.

Pois hoje, fruto de grandes resultados contra FCPorto na Taça de Portugal, na Taça da Liga e na Liga Europa contra Juventus - todos jogados com 10 jogadores na maior parte do tempo - há essa euforia desmedida que não olha nem a ausências, nem ao adversário!

E é pena porque deveríamos focar um pouco nestas duas questões.

- Jogar com Amorim e André Gomes no meio dá me totais garantias, mas não é o mesmo que ter Enzo Perez.

- Jogar com Sulejmani ou Ivan Cavaleiro não é o mesmo que jogar com Markovic, sendo que no banco teremos André Almeida, Ivan ou Sulejmani e Cardozo.

- André Almeida será médio ou defesa  caso a equipa precise dum ou doutro.

- Sulejmani ou Ivan serão o suplente dum ou outro

- Cardozo será a opção para o lugar de Rodrigo ou Lima.

É isto a nossa equipa para amanha.

Apenas isto! Não há mais opções. 





2. Dizia um adepto do FC Porto esta semana, e com alguma piada,  que está tudo a ser como o ano passado.

O Benfica perde 2-1 com FCPorto no sábado, perderá 2-1 com Sevilla e no domingo perde pelo mesmo resultado com Rio Ave copiando exactamente o "desastre" do ano passado!

É uma possibilidade como é  uma possibilidade ganhar tudo esta época e é exactamente isso que todos sonhamos!

Sonhamos com o "quadraplete" que a confirmar-se nos colocaria na galeria mais alta da História do futebol nacional e nos abriria a porta da Super Taça Europeia que com a Super Taça Nacional nos iria animar a silly season de Agosto. Assim esperamos. 

Mas agora falamos de amanhã.

Ontem em Madrid um bem informado adepto do Atlético de Bilbao falava-me na maldição de Bela Gutman, que pelos vistos teve esta semana eco no país vizinho.

Primeiro, não estou certo que a maldição inclua Liga Europa, mas há quem diga que esse senhor nos amaldiçoou com a frase "nem nos próximos 100 anos serão campeões europeus" e há quem diga que a frase foi "nem nos próximos 100 anos ganharão algum título europeu".

Segundo, e por mais que a superstição faça parte do jogo, esta foi uma maldição que eu sempre dei pouca importância.

Se amanha o Sevilha ganhar não creio que será pela maldição de Bela Gutman mas por algum erro do árbitro, por um claro merecimento de sua parte ou por alguma incompetência do Benfica.

A verdade nua e crua é que das nossas 9 finais apenas ganhámos 2 e amanha estaremos presente na nossa décima final.

Num ano em que se esperava que o Real Madrid igualasse o Benfica como o clube europeu com mais títulos - já sabemos que não irá conquistar o trigésimo terceiro campeonato - fala-se na hipótese de conquistarem a décima Taça dos campeões para o clube castelhano e da décima final europeia para o Benfica.

O que não disseram em Espanha é que as nossas duas conquistas europeias foram exactamente contra equipas espanholas e isso dá uma certa esperança para a nossa conquista da Liga Europa.

Também no mesmo tópico, as eliminações europeias contra Celta de Vigo, Espanhol, Getafe e  as derrotas contra Barcelona na champions mostram que o nosso passado recente contra equipas espanholas não é de todo o melhor. 

Ou seja, o que eu quero dizer é que para cada coisa má existe uma coisa boa e para cada coisa boa existe uma coisa má!

Melhor mesmo é apenas acreditar na equipa!




3. Eu fui durante todos este ano um crítico da Liga Europa e continuo a achar uma taça menor no panorama futebolístico internacional.

É uma taça que não tem um acompanhamento mundial forte e há vários países que nem sequer compraram os seus direitos televisivos, é uma taça que financeiramente divide um quinto do que a champions atribui aos clubes que aí jogam, qualquer equipa troca facilmente a conquista duma liga Europa pelo campeonato nacional de cada um dos seus países e é claramente uma taça para a segunda divisão europeia e para clubes que não conseguem ir longe na champions!

Por isto e talvez por muito mais eu e o mundo futebolístico consideramo-la uma Taça menor, mas isso não significa que não seja importante para o Benfica!

Pelo contrário!

É muito, muito importante, exactamente porque há 52 anos que não conquistamos nada na Europa, é muito importante porque 14 anos depois de Vale e Azevedo só agora o clube esta forte e organizado para poder começar a competir com os grandes europeus e porque depois do que se passou o ano passado, o Benfica merece mais do que ninguém esta conquista!

Hoje á noite e amanha durante o dia, Turim será encarnada, porque o vermelho do Sevilha não será capaz de ofuscar as diferenças abismais que há entre um clube e outro, entre a história dum e doutro.

No entanto, o passado recente mostra que a equipa Andaluza já ganhou duas vezes a Taça UEFA e este ano acabou nos primeiros lugares da Liga espanhola, tem um treinador muito bom e tem SORTE.

E é aqui que residirá o busílis desta final.

Ambas as equipas estão na final porque tiveram sorte nas meias finais. Muita sorte!

Ambas as equipas sabem que uma final se ganha com sorte.

Sorte no canto, sorte naquele ressalto que meteu a bola no pé do atacante, sorte porque o arbitro errou naquela expulsão ou pénalti, sorte porque um detalhe ditou o resultado do jogo.

Sorte e azar é o que decide uma final, como a decidiu o ano passado para o Chelsea num mísero canto. 

O mesmo canto que nos deu a vitória na final da Taça da Liga ou que nos deu o golo de Garay contra a Juventus em casa.

Na minha opinião, alem da sorte, a final joga se muito nos nervos que cada equipa colocará em campo. 

Quem for mais adulto e mais forte psicologicamente pode ter vantagem, mas para todos nós, só uma esperança imensa nos enche o coração.

Depois de Amesterdão, estaremos em Turim e o que a vitória ou a derrota não nos tiram são estes dois dias de Festa em Itália.

Que comece então a Festa sem esquecermos todos nós - adeptos, plantel e equipa técnica - o que se passou em Amesterdão o ano passado.

Na foto aí em cima estamos todos ainda em momento de alegria e Festa, duas horas antes da desilusão que foi ter perdido aquela final. 

Agora, temos que a ganhar. 

"Por nós e por todos vós, lembrem-se toda a tristeza que sentiram e façam tudo para não a sentir novamente."

Nós, adeptos, estamos preparados para perder e ganhar mas a equipa só pode estar preparada e focada para Ganhar!

Vamos a eles!

Força Benfica

sábado, 3 de Maio de 2014

Acabou!


Não há palavras que possam descrever o momento Épico vivido por todos nós na quinta-feira!

Em cada canto deste mundo, existiam benfiquistas orgulhosos e apaixonados pela nossa equipa.

Sim apaixonados porque é de Paixão e de Amor que se tem de falar hoje.

Na quarta-feira embarquei num voo nocturno duma cidade da América do Sul para New York.

Nessa viagem trouxe um DVD dum filme italiano que anda comigo entre malas, entre aviões e hotéis há exactamente 3 anos e meio, e que por uma ou outra razão acabei por nunca ver.

"A Melhor Juventude" é o título e tal como outros filmes da escola italiana de Antonioni, de Fellini, do clássico "Cinema Paradiso" ou á mais recente "A Grande Beleza" entre tantos outros filmes italianos,  fala de dor, de beleza, de alegria, da vida como ela é mas com uma sensibilidade e realismo própria desta escola italiana "de sempre".

São 6 horas de um filme também ele  "Épico", forte, emocionante e sensível!

Durante o filme pensei na ironia não premeditada de estar a ver um filme italiano num avião, exactamente no dia em que o Benfica ia jogar a Turim.

Mas durante 3 anos e meio - e centenas de viagens seguramente - porque tinha de estar a ver este filme italiano, no dia do Benfica Juventus?

Pouco importava essa coincidência porque eu adoro esta Itália de artistas, romântica, sensível, esteticamente apurada e tão diferente do seu futebol matreiro e cínico.

Cheguei de manhã a New York, sem dormir, fiz o que tinha a fazer durante essa manhã pois pelas 7pm tinha outro avião de New York para uma cidade europeia que não Lisboa, e resolvi ir para o Hotel Hilton perto do aeroporto JFK, ver o jogo no seu Sports Bar.

Cinco ecrans a dar vários canais desportivos ao mesmo tempo e um deles a dar som, que não era o nosso jogo.

Primeira parte ouvi baseball e a segunda parte ouvi hóquei em gelo.

Estive sozinho com a minha camisola oficial encarnada vestida, de águia ao peito e "a sofrer e a sofrer e a sofrer" como todos os benfiquistas espalhados pelo mundo.

Um sofrimento solitário, sem ninguém ao lado e nem os empregados ligaram nenhuma aquilo que se estava a passar numa das televisões nem aos meus gritos com o árbitro ou com algum ou outro falhanço ofensivo da nossa equipa!

Parecia sinceramente que se estava a jogar um Olhanense-Paços de Ferreira em jogo de pré época para todas as pessoas que por ali passaram. Interesse menos que zero!

Vi o Enzo ser expulso, vi o Garay sair lesionado, vi Markovic ser expulso, vi Salvio apanhar amarelo e ler no tal ecran - misses next match - mas não vi o ultimo canto do jogo nem os segundos finais.

Nesse momento e sem aviso ou sem interferência física de nenhuma pessoa, o canal mudou para outro canal desportivo e desapareceu o meu Benfica.

Aqui os nervos estavam em níveis nunca vistos. Será que foi golo?

Será que acabou?

Entre gritos e gritos e  mais gritos com todos os empregados do bar, percebi que nenhum deles fez nada.

O canal mudou porque estava programado para mudar aquela hora e como boa maquina, obedeceu ao programado.

Vi que eram 5pm e fui a correr com as malas para o transfer que estava a sair para o aeroporto. Corri, corri e corri pensando que se perdesse este transfer estaria perdido o avião também.

Eles pararam, entrei, liguei o telefone português e ouvi do outro lado uma voz amiga a dizer "Acabou"

"Acabou"

Não disse quem ganhou ou quem passou. Nem foi preciso!

"Acabou" e sentimos os dois que tudo o que é forte e emocionante no mundo estava retido naquela palavra...

"Acabou"

Por segundos olhei á volta e estava sozinho mais uma vez no autocarro com apenas dois empregados do Hilton.

Suado, de camisola vestida e gritando para o meu amigo:

"Acabou, Acabou, Acabou"

Depois expliquei lhe que não vi o canto, disse-me que Oblak fez uma grande defesa e desliguei essa chamada, ligando para a família.

Essa família que está longe porque eu assim decidi. A família que está longe e sempre tão perto nas saudades e nas emoções.

Estou no meio dum autocarro vazio, com dois homens que não sabem o que falo ou o que sinto. Estive 2 horas sozinho a ver um jogo com som de baseball e hóquei em gelo e no limite fui safo por um computador que programou a mudança de canal a tempo que apanhasse esse transfer, pois caso contrario teria obviamente perdido o avião.

Vazio porque nestes momentos é bom abraçar quem se ama, e abraçar quem connosco ama o Benfica, sem vergonha!

Emocionei-me porque voltei a ter 6 anos e a lembrar-me dos relatos que ouvia no quarto dos meus pais de forma solitária também nas quartas feiras europeias.

Emocionei-me porque aqueles 11, 10 e 9 jogadores foram tudo o que eu sempre sonhei que "fossem sempre"!

Foram muito para lá dessa famosa mística buscar forças a qualquer outro lado e dizer nos :

"-Tenham calma, é só um jogo de futebol"

Foram seguros quando nós só víamos a qualquer momento a bola dentro da nossa baliza.

Chegando ao aeroporto e pela primeira vez em muitas, no controlo raio x que fazem ao nosso corpo, eu vi no computador uma zona amarela perto do coração.

Tudo encarnado e algo amarelo perto do coração.

Isto parece mentira, mas o símbolo da camisola oficial do Benfica apareceu no raio x e quiseram tocar nele, ver se tinha algo!

"Do you have anything In here?"

Sorri e disse:

- "Yes I have! Its full of love and Passion! Just Love and Passion for my club"

Eles riram, apalparam o símbolo e segui...

As minhas palavras para eles valiam zero mas como algo pode soar a pouco depois daquele 96 minutos!?

No lounge do aeroporto pedi as chaves para tomar um duche rápido antes de entrar no avião das 7pm - meia noite em Lisboa - e dizem-me que não podia tomar duche porque estavam sem toalhas.

Estava exausto, há 36 horas acordado sem tomar banho e disse que tomaria banho assim mesmo.

Com a maioria da roupa na mala no porão, apenas tinha o essencial para mudar-me e sair fresco para mais um avião.

Tomei banho e limpei-me á camisola que este ano foi re-baptizada para ganhar.

Foi absolutamente simbólico, limpar-me com a camisola que tinha vestido durante 2 horas para ver o jogo.

Não é grande toalha porque o tecido é feito para deixar os jogadores sem o suor nas camisolas, mas não deixou de ser um grande epílogo para este dia.

No espelho molhado, via a camisola do Benfica a secar me e a secar me também a alma, dando me Paz e calma novamente.

Tudo no futebol é irreal, abstracto e sem sentido.

Mas hoje senti que vivo para estes momentos.

Mesmo sozinho, foi um dia lindo!

"Acabou"

Esta palavra voltou a ter um significado tão especial e tão merecido.

Não é uma vitoria contra ninguém, nem tão pouco contra a Juventus que tudo fez para contrariar o resultado e a sorte, mas foi uma vitoria de quem soube sofrer!

Há uma frase no tal filme "A melhor Juventude" que diz :

"O mundo é um lugar bonito" e foi isso que todos nós sentimos quando ouvimos, vimos, lemos ou sentimos que tinha acabado!

Acabou!!!!

Agora sem Enzo, sem Markovic, sem Salvio e obviamente sem Silvio vamos jogar a final da Liga Europa contra o Sevilha e tentar finalmente repor o curso da história ganhando em Turim.

Estamos exactamente onde estávamos o ano passado quando ganhámos ao Fernerbache!

E eu lembro que até ao jogo do Fernerbache tudo eram rosas!

Foi no jogo seguinte contra Estoril que tudo começou a desmoronar, depois FC Porto, Chelsea e Guimarães!

Foram quatro jogos desgraçados que nos fizeram ir ao Inferno em pouco tempo!

Agora apenas precisamos de 3 jogos para voltar ao Céu!

São três jogos apenas no dia 7 de Maio, no dia 14 de Maio e no dia 18 de Maio contra Rio Ave e Sevilha.

Ganhando ao Sevilha jogaremos mais dois jogos em Agosto contra Atlético de Madrid ou Real Madrid na Super Taça europeia e também claro está na Super Taça nacional contra o Rio Ave.

Nada ganhámos, mas é tão bom voltar á final da Liga Europa e é isso que celebramos nestes dias!

Parabéns a todos que estão diariamente com esta equipa, parabéns á direcção, parabéns aos técnicos e parabéns aos 11, 10 e depois 9 heróis que mostraram que a mística não é exclusiva do passado!

Estes homens hoje mostraram que são muito, muito grandes!

Todos sem excepção!

Hoje contei na primeira pessoa a minha experiência pessoal do dia de ontem neste post - que é o 450 escrevo neste blog em 6 anos - para que nunca esqueça a alegria estonteante e a emoção incrível que senti quando ouvi:

"Acabou"

Quis o destino que estivesse sozinho na cidade que amo, como sozinho estava na mesma cidade há umas semanas quando soube via telefone que tínhamos marcado o terceiro golo ao FC Porto!

O dia acabou com a marcação da viagem para Turim, mas dessa vez vou acompanhado com os meus "colegas de bola" tentar refazer aí o que a História nos tirou em Amesterdão!

Viva o Benfica

Viva New York

Viva o cinema italiano!

Viva este "mundo que é um lugar tão bonito"

Força Benfica


quinta-feira, 1 de Maio de 2014

Há 20 anos atrás o destino estava traçado. E Hoje?

No dia 13 de Abril de 1994 - há exactamente 20 anos e 2 semanas - o Benfica jogava a meia final da Taças das Taças contra o Parma. 

Depois dum resultado de 2-1 em casa, a esperança em ver outra vez o Benfica na final duma competição europeia era muito grande. 

O resultado tinha sido positivo e se marcássemos o tal golo fora, poderíamos sonhar uma vez mais com essa presença na final da Taça da Taças.

Estava em Lisboa e lembro-me de sentir exactamente o mesmo que senti das outras duas vezes que estive naquela situação em 1988 e 1990 contra Steaua de Bucareste e contra Marselha.

Uma esperança fora do comum. 

Uma esperança cega e um medo que algo pudesse correr mal.

Lembro-me que nessa tarde voltei a recordar as meias finais contra Steaua e Marselha. A meia final contra a equipa romena foi para mim a maior alegria da minha vida futebolística.

Penso que a paixão pelo Benfica e aqueles dois golos do Rui Águas marcam muito do que seria a minha relação com o clube. 

Infelizmente, nunca estive no estádio in loco na decisão de nenhuma meia final em toda a minha vida. 

Se tinha estado no Estádio contra o Parma, mas sem ser decisivo, não tinha estado contra Steaua de Bucareste nem contra o Marselha.

Esses sim, jogos decisivos para apuramento para a final pois são a segunda mão dessas eliminatórias.

Também não estive o ano passado contra o Fernerbache.

Em 2011 a decisão foi em Braga e também não pude estar presente, mas o que se nota numa pequena análise é que o Benfica recentemente não tem conseguido ser apurado para as finais quando a segunda mão se joga no campo do adversário. 

No entanto em 81 quando jogámos as meias finais da Taça das Taças contra o Carl Zeiss tinhamos uma missão complicada pois perdemos 2-0 fora e em casa tamém nao conseguimos ir alem dum 1-0 que nos eliminou e retirou a hipótese de disputar essa final. 

Em 1983 o Benfica apura-se para a final contra Anderlecht, vencendo fora o Universidade Craiova mercê dum empate de 1-1 depois de termos empatado 0-0 em casa. 

Voltando ao Parma que é a mais recente meia final, a decidir-se longe do Estádio da Luz e contra uma equipa italiana, o que me lembro bem é do típico cinismo italiano e a nossa impotência para fazer mais do que aceitar isso como uma fatalidade. Mozer foi expulso á meia hora de jogo e aí a fatalidade começou a tomar o seu sentuido!

A fatalidade de quem sabe que o destino está traçado. 

Mas não está. O destino nunca está traçado!

Somos nós que o definimos e o que espero que aconteça daqui a umas horas em Turim é que os nossos jogadores lutem contra o destino traçado. Lutem contra a fatalidade de jogar em Itália, contra a Juventus matreira e contra um resultado negativo que parece estar escrito nas estrelas, escrito pelos analistas e adeptos do Sporting e do FC Porto que conseguem ver muito á frente dos nossos próprios olhos.

Eles conseguem ver o descalabro encarnado em Turim.

Eles conseguem ver de forma clara que a Juventus é muito superior ao Benfica e que tudo está definido.

Eles conseguem só ver um lado e nem por um segundo imaginam a hipótese do Benfica ser apurado.

Se "cada um só vê o que quer ver" é impressionante a capacidade que estes adeptos azuis, verdes e todos os outros "anti-Benfica" têm em ver tão claramente o que eu não consigo ver.

Sim tenho medo de ter um jogador expulso com 30 minutos de jogo, como tive nos jogo em Parma e  nos jogos contra o FC Porto, mas se conseguirmos ter 11 contra 11 todo o tempo porque deveria ter medo? Medo de quê?

A História está aí a provar que tudo está contra nós.

A equipa da Juventus está aí a provar o seu poderio.

A UEFA já provou de que lado está e sinceramente nem os censuro porque querem a equipa da Juventus na final no seu Estádio. O que censuro é fazerem algo para influenciar a sua vontade. Isso é censurável e é criminoso!

O árbitro turco já deu o mote na primeira mão no nosso Estádio sobre as intenções dos maiorais da UEFA, logo não me parece que em Turim algum árbitro vá ser outra coisa que não caseiro.

E porque nós benfiquistas não conseguimos ver nada destas "racionalidades" e apenas conseguimos acreditar e ter esperança?

Porquê?

Para entender isso é preciso entender que nós vamos disputar a décima quarta meia final da nossa História enquanto FC Porto (6) Sporting (4) Braga (1) e Boavista (1) todos juntos só conseguem atingir o numero total de 12 meias finais.

Para entender esta nossa crença cega é preciso entender a Mística, que agora até vejo portistas a apregoar como sendo uma palavra do dicionário azul...

Para entender isto é preciso ser Benfiquista porque todos os benfiqusitas conseguem ver tudo isso que os outros também vêm, mas tambem vemos muitas outras coisas que nos fazem acreditar!

Todos os outros escrevem e desejam a eliminação do Benfica porque percebem e analisam á luz da razão enquanto nós temos o Coração por cima da Razão!

Haja Coração em Turim!

Força Benfica



quarta-feira, 30 de Abril de 2014

Manobras encerradas. Agora é jogar...

Encerradas que estão as manobras intimidatórias, encerradas que estão as polémicas, encerradas que estão as provocações, agora estamos em Turim para ganhar. 

Faltam 30 horas para o apito inicial do jogo e agora não há muito mais a dizer ou a provocar.

Agora o Benfica está por sua conta, cada um dos jogadores deverá saber o que tem de fazer e sem duvida que irá dar tudo por tudo para sair de Turim com a passagem á final assegurada. 

No plano meramente táctico, a noticia que Enzo Peres joga é decisiva porque sem Fejsa, sem André Gomes e sem Enzo, o Benfica teria um meio campo muito desfalcado.

No entanto, com Enzo Peres, com Ruben Amorim e eventualmente com André Almeida o Benfica aparece em Turim com dois jogadores que jogaram muito tempo no Dragão no passado domingo.

Ruben Amorim jogou 78 minutos (depois de longa paragem) e André Almeida jogou todo o jogo

Qualquer que seja o colega de Enzo Peres ao seu lado - deverá ser Amorim - a verdade é que o "fresquinho" que Jesus queria da sua equipa acabou por não ser verificar por uma "arreliadora" lesão que acaba por deixar Fejsa de fora de Turim.

Aconteça o que aconteça amanhã, o Benfica não conseguiu defrontar a Juventus na sua máxima força, mesmo sabendo que Silvio era carta fora do baralho.

Salvio aparece nos convocados à condição (segundo alguns media) e poderá jogar, como poderá também não jogar. Depende do jogo e de como ele se sentir com a protecção ao braço que foi operado há exactamente 10 dias. 

Sente-se no ar uma esperança generalizada nos nossos adeptos numa passagem á final, quase esquecendo tudo o que se tem vindo a falar nos últimos dias. 

Parece que a noticia de que Enzo Peres pode jogar teve um efeito nos benfiquistas de que afinal não se tem que jogar a meia final e afinal já estamos na final. 

Admiro-me com as euforias dos benfiquistas, mas ao mesmo tempo saúda-se uma confiança cega nos nossos jogadores.

Eu, confio. Eu acredito, mas estou preparado para tudo.

Ontem o Bayern de Munique sem saber como, estava a perder 2-0 nos primeiros minutos com duas bolas paradas e o descalabro estava ao virar da esquina. 

No futebol, nunca se sabe o que se pode passar. 

Em Paris, aconteceu o mesmo e estávamos a perder 3-0 em poucos minutos. 

Isto para dizer que no futebol tudo é possível e eu estou mesmo preparado para tudo, até para chegar ao fim do jogo sem nenhum golo marcado. 

Sim, porque voltando ao Bayern de Munique, como é possível que a equipa que o ano passado fez um score de 7-0 ao Barcelona, este ano tenha conseguido jogar contra o Real Madrid por duas vezes sem marcar nenhum golo?

Este conceito de que "marcamos sempre" é algo estranho porque sim é verdade que podemos marcar, como podemos não marcar e eu foco e sublinho a imprevisibilidade do jogo como característica principal deste jogo.

Alem disso temos que estar preparados para um prolongamento porque o resultado de 2-1 é algo perfeitamente possível de acontecer. Penso que se Jesus preparar o jogo com as três substituições pensadas para possíveis 120 minutos, pode ter um ponto positivo a seu favor. 

Eles vão ter um meio campo de luxo com Pirlo, Vidal e Pogba, na frente muito provavelmente vão ter Llorente e Tevez. 

Só estes cinco jogadores servem para decidir qualquer jogo a favor da sua equipa e quando oiço, leio e vejo alguns benfiquistas a falar - especialmente esta manhã depois de sabermos que Enzo joga - parece que vamos jogar fora contra uma equipazinha.

Para terminar, vou voltar á conversa dos guarda redes.

Oblak provou vezes sem conta a sua qualidade. 

Tem cinco golos sofridos na Liga em 16 jogos e tem 3 golos sofridos na Liga Europa nos dois jogos em que Jesus apostou nele contra o Tottenham.

Desde esse jogo, que Artur tem sido o jogador utilizado e não me parece que Jesus vá alterar a sua decisão, mas eu discordo.

Já aqui disse que acho que Jorge Jesus não tem tanta confiança em Oblak como tem em Artur e nos ambientes mais tensos ele opta pela experiência. 

É uma decisão pessoal e que nem eu nem ninguém podemos contestar, mas depois do que Oblak tem mostrado e com a segurança que teve no Dragão deveria merecer a titularidade. 

Mas eu não mando!

Força Benfica


terça-feira, 29 de Abril de 2014

Transformar ameaças em oportunidades. Transformar pontos fracos em pontos fortes!

Todos sabem que nas teorias de gestão este quadro de analise SWOT (strenghts, weaknesses, opportunities and threats) é algo muito importante.

As oportunidades e ameaças são normalmente centradas sobre o meio ambiente, aquilo que nós não controlamos e os pontos fracos e pontos fortes são normalmente pontos associados á nossa organização, aquilo que conseguimos controlar.

Ora este castigo sobre Enzo, a acontecer, é uma ameaça muito forte para o nosso apuramento para a final da Liga Europa porque Enzo é hoje fundamental para este importante jogo.

No entanto, o Benfica pode jogar cartas para independentemente do castigo ser ou não ser aplicado, criar as condições  para que esta ameaça seja considerada uma oportunidade e  para que o ambiente á volta da equipa, dos adeptos e até dos observadores internacionais de media seja favorável ao nosso clube.

Este castigo da UEFA, não sendo esperado, não pode deixar ninguém surpreendido.

Estas técnicas, que conhecemos bem do mundo em que vivemos internamente há 30 anos, são utilizadas por pessoas que têm objectivos muito bem definidos e que não olham a meios para atingir os seus fins.

E os seus fins são claros.

A Juventus quer disputar a final no seu terreno e a UEFA quer que a Juventus dispute a final no seu campo.

Então o que poderia impedir que este castigo fosse tornado realidade?

A única coisa que poderia impedir este castigo seria Vergonha!

A Vergonha que esta gente não tem e nunca teve.

Quando em Portugal Pinto da Costa faz esquemas com telefonemas e chantagens de que "Deco não irá jogar na selecção se não lhe retirarem o suposto castigo porque o jogador atirou uma bota a um árbitro" é mais ou menos disto que se trata.

Falta de Vergonha.

Quando um jornalista de nome Tavares Telles escreve noticias encomendadas por este presidente sobre esta mentira e passado uns anos recebe ordenado como comentador dum canal publico, é sinal que não há Vergonha.

E em 30 anos, casos como estes aconteceram muitas e muitas vezes porque eles não têm Vergonha!

Na UEFA é a mesma coisa. Exactamente a mesma coisa e sinceramente o que importa o Benfica não ir á final para o grande espectáculo que é o futebol?

Importa zero.

Só realmente importa para nós que somos benfiquistas, mas para o resto do mundo, jogar Enzo ou não jogar Enzo vale zero, termos um penalti não assinalado em Lisboa vale zero, sermos ou não sermos roubados em Turim vale zero, porque no fim será mais um jogo com um vencedor anunciado.

Tudo isto é feito sem Vergonha, como sem Vergonha foi feito um sorteio no mundial ILEGAL.

Como todos sabemos a França é a pior classificada dos nove países europeus e portanto teria que estar no Pote 3 do sorteio do Mundial no Brasil.

Os primeiros oito estariam no Pote 2 e a França estaria normalmente no Pote 3

Sempre foi assim, em todos os anos anteriores.

Platini achou mal que França estivesse no Pote 3 e considerou a hipótese de haver um sorteio prévio no dia anterior ao sorteio oficial onde entre as nove selecções europeias se acharia aquela que ficaria no Pote 3 e assim defrontar seguramente um cabeça de série + uma selecção europeia.

A quem calhou a bolinha do azar?

França? Claro que não!

Calhou á Itália que no grupo do mundial ficou então com o cabeça de série Uruguai e com o europeu Inglaterra.

Onde estava a Vergonha de Platini, de Blatter ou do secretário geral da FIFA Jerome Vackel quando colocaram a França no Pote 2 e assim colocaram-na num grupo com Suiça, Honduras e Equador?

Toda esta falta de Vergonha teve pouco eco nos media foi feita com a chico espertice típica de pessoas corruptas e a Itália "comeu e calou".

Agora que se joga o apuramento para a Final de Turim e numa altura onde Itália se vê ameaçada com o seu quarto lugar na Europa de clubes, eis que aparece a máfia do futebol a dar a mão aos amigos.

Isto para mim é natural.

Não vejo nisto nada de extraordinário, como não vejo nada de extraordinário quando o senhor Platini não aceita de maneira nenhuma colocar câmaras e meios audiovisuais para ajudar os árbitros nas suas decisões.

Claro que ele é contra!

Como não?

Tudo o que seja trazer verdade desportiva a este jogo é retirar o controlo do mesmo e das suas decisões aos verdadeiros "filhos da puta" que se passeiam por este meio.

Cabe na cabeça de alguém que num mundial com 25 câmaras por jogo o árbitro não possa ser ajudado nos lances? Cabe na cabeça de alguém que em 2014 se validem golos de foras de jogo de 2 metros, que se marquem penaltis com faltas fora da área, que se expulsem jogadores com vermelho directo quando deveria ser apenas amarelo?

Sim, cabe na cabeça dos "Platinis da vida" que assim perdem todo o controlo do jogo.

Eu não me importo de perder, apesar de gostar mais de ganhar e não gosto de ganhar a ser favorecido.

Estes senhores do futebol dominam tudo e todos e gostam de controlar.

A Espanha não tinha nenhuma necessidade de ter um Vice Presidente da FIFA e da UEFA - Angel Villar - para ser campeã do mundo porque mereceu ganhar os dois europeus e a Copa do Mundo, mas a verdade é que para a História fica que Angel Villar é uma pessoa muito importante no mundo do futebol exactamente quando a Espanha ganha esses torneios.

Ou seja, tanto em Portugal com os mafiosos do FC Porto, como lá fora com os mafiosos da Juventus ou da UEFA e FIFA, há sempre objectivos definidos por uns quantos e que depois são alcançados através disto ou daquilo.

Será que alguém consegue definir se Oblak  arranca para uma exibição incrível e não sofre golo nenhum?

Ninguém consegue definir isso.

Isso é futebol! Pode acontecer? Pode...

Mas o que estes homens do futebol estão a fazer é "criar condições para..." dando um claro sinal a todos os intervenientes da sua vontade, tanto aos jogadores do Benfica, como dos jogadores da Juve ou como dos próprios árbitros.

O que o Benfica tem de fazer?

Ser forte internamente, não deixar que este burburinho afecte o espírito dos jogadores e transformar pontos fracos em pontos fortes.

O Benfica na quinta feira vai entrar com 11 jogadores. Se Enzo não  jogar "jogará um qualquer Manel" e seremos 11 contra 11.

Eles têm Pogba, Pirlo e Vidal? Sim têm.

E têm Tevez e LLorente? Sim têm.

E têm Buffon e mais não sei quantos outros nomes fantásticos? Sim têm.

E têm um estádio esgotado com o décimo segundo jogador segundo diz Conte, seu treinador? Sim têm.

E o que é que isso tem a ver com o Benfica? Nada.

O Benfica vai entrar com 11 e vai jogar para ganhar ou empatar ou perder por um golo desde que se marque 2 ou mais golos.

É simples. O Benfica vai transformar todas estes pontos fracos de poder não ter Enzo e jogar contra todas estas adversidades em pontos fortes.

Eu sempre disse que esta eliminatória seria quase impossível de passar e não mudo nem uma virgula. 

Todas estas manobras não me surpreendem como não me surpreenderá se o Benfica chegar a Turim e passar a eliminatória, mas agora no dia de hoje, não vamos chorar.

Ninguém vai chorar antecipadamente. Vamos ser fortes hoje, amanhã e na quinta feira.

Com ou sem Enzo, vamos jogar para passar a eliminatória e é bom que os dirigentes do Benfica não comecem a dar tiros no pé numa clara maneira tão portuguesa de começar a perder e a chorar antes de tempo.

Tenham cabeça e saibam transformar ameaças em oportunidades e pontos fracos em pontos fortes.

Todas estas manobras não podem nunca entrar na cabeça dos jogadores como uma desculpa para poder perder, mas sim como uma motivação para sermos obrigados a ganhar!

Força Benfica

segunda-feira, 28 de Abril de 2014

O Benfica voltou!

1. O que se passou ontem no Estádio do Dragão é apenas surpresa para os que ainda acreditam no "antigo regime" do futebol nacional.

Se há poucos dias se celebrou os 40 anos do 25 de Abril, ontem foi um marco decisivo para mostrar ao mundo do futebol nacional, que "nova ordem" se levanta.

Não uma ordem corrupta, mafiosa e criminosa, mas uma ordem que usa as mesmas armas no campo que muitas vezes o FC Porto usou contra os clubes da metrópole lisboeta.

O Benfica ontem foi enorme, com classe e com clara noção do objectivo que era evitar sofrer golos. 

A foto que está aqui ao lado e que é única e fantástica mostra exactamente isso mesmo. Um técnico agarrado a um menino que vai sofrer muitos golos, vai ser criticado por frangos porque é assim a vida dum guarda redes, mas que é o nosso futuro. Ao lado um jogador que apesar de ter jogado pouco ontem é um talento internacional do nosso futebol. No centro Jorge Jesus no seu lado mais humano e que eu pessoalmente desconheço.

O Benfica está forte porque renasceu das cinzas e todos sabemos que o "que não nos mata, torna nos mais fortes".

Escrevo no título do post que "o Benfica voltou" porque este é o Benfica que eu me lembro de ver e ouvir quando era pequeno.

Não interessa se a Taça da Liga é muito importante ou não conta para nada. Isso não me importa, mas conta a atitude contra um grande rival no seu campo e a maneira unida como todo o plantel encara qualquer adversidade.

O Benfica ontem voltou a não marcar golos e isso não é um bom sinal para o jogo contra a Juventus, mas o objectivo não era esse.

Ontem o Benfica mostrou uma vez mais tudo o que andou afastado da equipa durante décadas e também por isso deixámos o FC Porto ser um clube grande.

Ontem o Benfica foi uma equipa perfeita e calma, serena e madura e do outro lado estava uma equipa que é uma imagem distorcida do que foi no passado.


Não foram apenas as máfias que ganharam jogos do FC Porto no passado. 



As máfias podiam preparar o "terreno", mas no terreno de jogo os jogadores do FC Porto foram nalguns destes 30 anos exemplares atletas, exemplares na atitude e exemplares nos resultados.


Tudo isso acabou!

Eu não gosto de me repetir mas fui dos únicos que disse e escrevi que esta Taça da Liga era muito importante. 

Não a Taça da Liga em si, mas esta Taça da Liga contra o FC Porto que estava na meia final de forma ilegal.

Disse mais... Disse que o Benfica deveria ir com os titulares para este jogo no Dragão porque sabia que uma derrota na sua casa, em frente ao seu publico contra o Benfica - independentemente deles dizerem que  esta taça não conta para nada - traria consequencias de posicionamento nesta nova ordem do futebol português.

Fazê-lo com 11 jogadores maioritariamente suplentes - apenas Oblak e Siqueira eram titulares na equipa que entrou no Dragão - que depois foram 10 heróis contra um FC Porto que não existe é algo incrível.

Este FC Porto não existe e dificilmente existirá nos próximos anos como o foi há uns anos atrás e como nós nos habituámos a vê-lo.

O FC Porto antes ganhava muito, muito, muito.

Não eram apenas as Ligas, mas o FC Porto ganhou muitas Taças de Portugal e teve sempre campanhas europeias que orgulharam os seus adeptos.

Isso acabou mas não foi ontem. Acabou há 3 anos e a verdade é que o "gozo que durou todo o verão dos 92 minutos" foi um gozo ridículo.

Era óbvio que gozar com o Benfica quando se tem esta equipazinha, esta estruturazinha bacoca e esta equipa técnica era de bradar aos céus.

O Benfica perdeu aos 92 minutos contra o FC Porto, depois perdeu contra o Chelsea e depois perdeu (não aos 92 mas no final do jogo) contra o Guimarães.

Nesse momento que o FC Porto marcou o golo que veio do céu o FC Porto era uma sombra do que tinha sido.

Não ver que nesse jogo do Dragão há um ano o FC Porto era uma sombra do que foi é ser cego ou não querer ver os factos á frente do seu nariz!

Mas na época anterior, quando o Benfica se entusiasma com o Zenit e descansa jogadores em Guimarães, estando 5 pontos á frente do FC Porto, quem começa a perder o título foi o Benfica, não o FC Porto a ganhá-lo.

Quando em Coimbra fomos roubados e roubados e roubados quem começa a ganhar o título é a máfia do FC Porto e não os jogadores do FC Porto.

Quando no Estádio da Luz o FC Porto nos ganha 2-3 num golo em fora de jogo e com uma expulsão de Emerson ridícula - especialmente porque o primeiro amarelo nunca se entendeu porque foi dado - já o Benfica mostrava sinais de inverter o ciclo, mas infelizmente o FC Porto ainda trabalhava noutros tabuleiros importantes para se ganharem Ligas.

Esse foi o ultimo grito duma equipa que outrora foi dominadora e hegemónica em Portugal.

Nesse mesmo ano não ganharam a Taça de Portugal e no ano seguinte não ganharam nada, foram eliminados precocemente de tudo e estariam em crise profunda, não fosse aquele golo INJUSTO, ENGANADOR e vindo do céu que lhes deu a vitória no jogo contra o Benfica e depois na Liga.

Ontem as caras que vimos no Estádio do Dragão e seguramente em muitos lares portistas aquando da reviravolta benfiquista há umas semanas no Estádio da Luz para a Taça de Portugal, foram exactamente as mesmas caras cabisbaixas, descrentes e perplexas que se viram no Estádio do Dragão durante a meia hora final do jogo contra o Benfica o ano passado.

O FC Porto dominador acabou e acabou há 3 anos.

Eu já escrevi num post anterior onde dizia que o FC Porto tem vindo a perder plantel, estrutura e equipa técnica desde que André Villas Boas saiu.

Hoje o FC Porto é uma equipa que não ganha uma Taça de Portugal há 3 anos.

Hoje o FC Porto é uma equipa que não ganha na champions há quatro anos e na Liga Europa.

Hoje o FC Porto é uma equipa que ganhou os últimos dois títulos com o império em queda e em vez de terem analisado isso e actuado, andaram a meter o Kelvin no museu, andaram a saltar o golo do Kelvin durante 3 meses, andaram a falar do Kelvin em todo o lado como se o Kelvin fosse o antídoto para matar o Benfica, não vendo que estavam a morrer do próprio veneno.

Ontem a vitória do Benfica diante daqueles poucos milhares de espectadores que ainda acreditam no FC Porto - que vergonha de assistência ontem - foi simbólica e perdurá durante muito tempo nas memórias de quem gosta de futebol.

Hoje, com Sporting ao ataque contra FC Porto, com Benfica forte e dominador, o FC Porto não vai ganhar mais títulos?

Claro que vai... O FC Porto vai ganhar títulos mas muito menos dos que ganhou no passado.

O Benfica vai ganhar títulos, mas muitos mais que ganhou no passado.


O Sporting vai ganhar títulos e muitos mais que ganhou no passado.


Vamos outra vez ser um país onde ganhar e perder é normal.

Este clube de nome FC Porto ganhou cerca de 20 campeonatos em 30 anos e o que está em causa e o que está neste momento provado é que este FC Porto não ganhará nos próximos 30 anos mais 20 títulos.

Apenas isso.

Ninguém acha que o FC Porto morreu para sempre, mas será um clube grande que ganha e que perde como todos os outros.

Perder contra o Benfica com 10 em Lisboa e perder contra o mesmo Benfica com 10 no Dragão é de tal forma grave que nem o melhor argumentista ousaria escrever algo com tantos requintes de malvadez.

Ontem o FC Porto foi uma vergonha.

Vou repetir para que se entenda.

O FC Porto é uma vergonha de equipa que está a 15 pontos atrás do Benfica e está 8 pontos atrás do Sporting.

O FC Porto é uma vergonha porque jogando com todos os seus titulares na máxima força - e não jogaram na quinta feira passada para a Liga Europa - perde contra uma equipa suplente do Benfica a jogar contra 10 em sua casa...

O FC Porto é uma vergonha porque perde no Estádio da Luz por 3-1 contra 10 jogadores do Benfica.

O FC Porto perde contra o Sevilha por 4-1 e essa equipa andaluza estava a jogar com 10 durante quase toda a segunda parte.

O FC Porto é uma vergonha porque voltou a ser uma equipa vulgar e isso é pior que se pode dizer duma equipa que se julgava extraordinária.

Mas não é. É uma equipa vulgar e que dá pena ver jogar!





2. Do lado do Benfica o que se está a viver é a vitória da força, do talento e da gestão.

Mas se por um lado conseguimos ganhar a guerra contra o nosso maior adversário nas três frentes nacionais, apenas ganhámos um título com isso.

Agora, chegou o momento de inverter a história e ganhar os próximos 3 títulos que estão em aberto contra Rio Ave.

Temos que ganhar a Taça da Liga em Leiria no próximo dia 7 de Maio, temos que ganhar a Taça de Portugal no próximo dia 18 de Maio e temos que ganhar a Super Taça no próximo mês de Agosto.

Sem arrogâncias, com humildade e com talento.

Não ganhámos a Taça da Liga ontem nem ganhámos a Taça de Portugal há duas semanas quando eliminámos o FC Porto.

O que sabemos é que o FC Porto a perdeu, mas nós não as ganhámos.

O que sabemos é que a classe e a segurança do nosso plantel é muito forte para um FC Porto de terceira categoria, mas não será assim contra o Rio Ave.

Nesses jogos, primordiais para o nosso futuro temos que estar na máxima força e com todos os jogadores, técnicos e direcção focados na importância destes três títulos.

Estes títulos trazem a hegemonia do nosso futebol de volta ao Benfica ao nível de títulos e ao nível de exibições e de clube.

Foco total nesses títulos.

Em relação à Liga Europa e á euforia que muitos dos benfiquistas têm eu apenas digo que se durou 30 anos a derrubar a máfia do futebol português, imaginem quantos mais serão necessários para acabar com a máfia do futebol internacional.

A mesma máfia que nomeia um turco "que dá garantias" no jogo Benfica - Juventus, não vai dormir na nomeação para quinta feira no jogo da segunda mão.

A Juventus não é o FC Porto - até sorri quando o escrevi, tal a parvoíce - e é fortíssima. No entanto, o Benfica vai entrar em Turim para passar a eliminatória e para dar tudo no campo, mas não acredito que o jogo se decida no talento dos seus intervenientes, mas sim nos bastidores duma UEFA que exige a final á Juventus.

Ter uma final com Juventus e uma equipa espanhola voltaria a dar um "élan" especial á Liga Europa e é isso que todos querem.

Nós vamos acreditar nos nossos heróis com a certeza que o principal este ano, será dominar o futebol nacional e nesse aspecto vamos muito bem encaminhados.

Vamos acreditar nos nossos jogadores, sem lhes colocar a mínima pressão.

Quer ganhem ou percam na quinta feira, o que se está a fazer esta época é formidável, brilhante como diz Jorge Jesus e é isso que se tem de valorizar e não ter medo duma hipotética e normal eliminação aos pés da poderosa Juventus.

Aliás, o que o Benfica e seus dirigentes deveriam dizer nestes dias é exactamente isto.

È a Juventus que está com a pressão de ter que eliminar o Benfica.

É a Juventus que quer desesperadamente ir á final no seu estádio. 

O Benfica teve lá na final de Amesterdão o ano passado e este ano fez uma campanha maravilhosa. 

São eles  - Juventus - que têm que mostrar do que são feitos e nós vamos apenas jogar o nosso jogo. 

Pressão total do lado da Juventus e deixar que os nossos jogadores estejam apenas focados no que têm que fazer em campo na quinta feira.

Se passarmos fantástico, mas se não passarmos tudo bem na mesma, desde que se ganhem as próximas três taças internas.

Força Benfica